Fim de Semana-Com o FC Porto na Liga dos Campeões, Inicio da PO01, e S.Taça Fem.
Calendário e Resultados na Barra Direita

terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Andebol No Feminino – 01 – 2014 / 2015

Antevisão do Nacional da 1ª Divisão de Seniores Femininos
 
Quando se aproxima o início de mais um campeonato da 1ª divisão feminina, fazemos a antevisão da competição. Analisaremos as novidades (falaremos apenas das entradas e saídas mais relevantes) e faremos, como habitualmente, a nossa previsão equipa a equipa. Lamentamos, no entanto, que tão perto do início da competição, alguns clubes não tenham sequer apresentado as suas novas jogadoras. Por isso, omissões que tenhamos nesta análise tem sobretudo a ver com a má comunicação de alguns clubes.
 
Alavarium: A equipa que dominou o andebol feminino português nas últimas duas épocas apresenta-se com um plantel fortíssimo. É verdade que perdeu Ana Seabra, Diana Roque e Ana Marques mas Ana Seabra fez uma época passada muito fraca e Ana Marques esteve lesionada na segunda metade da época. Para os seus lugares, o Alavarium reforçou-se na Madeira com Mariana Sousa, Sara Sousa (ex-Sports Madeira) e Isabel Góis (ex-Madeira Sad). Três excelentes aquisições, sobretudo Isabel Góis, a melhor Guarda-redes portuguesa e que é talvez a jogadora mais decisiva a atuar em Portugal. Ao que parece, terá sido contratada também uma atleta norueguesa de primeira linha, mas não temos ainda confirmação oficial. O Alavarium é de longe a equipa com melhor plantel da primeira divisão, resta saber até que ponto a saída do carismático treinador Ulisses Pereira poderá afetar a equipa, já que é difícil imaginar o Alavarium sem Ulisses Pereira. A escolha recaiu (e bem) em Carlos Neiva, o seu adjunto que tem nas mãos um plantel muito forte, com os seus adversários principais mais debilitados e por isso com uma grande possibilidade de conseguir o tricampeonato para a equipa de Aveiro. Lugar previsto: 1º lugar. 
 
Colégio João de Barros: O eterno aspirante a campeão parte, de novo, com essa aspiração. A equipa perdeu peças importantes: Paula Malcato, Inês Catarino e, sobretudo, Ludmila Soares e Dulce Pina. Para o seu lugar, os responsáveis do Colégio João de Barros fizeram regressar Natalina Melo e foram recrutar Fátima Suaré (ex-Passos Manuel), Francisca Marques (ex-Juve Lis) e Leticia Cobo (ex-Zuazo). Boas escolhas que tentam compensar as saídas, embora Dulce Pina não tenha uma substituta à altura e, com a saída de Ludmila Soares, a posição de Guarda-redes passa a ser o calcanhar de Aquiles desta equipa. Se aumentar o número de treinos que as suas atletas efetuam, o Colégio João de Barros pode discutir o campeonato até ao final, mas há que reconhecer que o lote de jogadoras da época passada dava mais garantias do que as deste ano. Paulo Félix continua à frente da equipa. Será desta que consegue o troféu? Não nos parece pois a superioridade do plantel do Alavarium sobre todas as outras equipas é grande, mas em playoffs tudo pode acontecer. Lugar previsto: 2º lugar. 
 
Colégio de Gaia: A equipa de Gaia melhorou muito o ano passado e conseguiu dois grandes reforços para a sua equipa: Ana Gante (ex-Juve Lis) e Jéssica Ferreira (ex-Sports Madeira). A contratação de Jéssica Ferreira vem colmatar a grande falha que o Colégio de Gaia tinha que era a posição de Guarda-redes. Só não dizemos que se tornam candidatos ao título pois este ano, com a contratação de Isabel Góis, o Alavarium está muito à frente de toda a concorrência. Mas com estas duas grandes contratações, o Colégio de Gaia pode perfeitamente lutar por estar presente na final do campeonato. Paula Castro tem o melhor plantel dos últimos anos, veremos se consegue transformar este ótimo plantel numa grande equipa. Lugar previsto: 3º lugar. 
 
Madeira Sad: Muitas mexidas também no Madeira Sad. Andreia Andrade deixa a modalidade, Soraia Lopes rumou a Espanha e Isabel Góis mudou-se de armas e bagagens para o rival Alavarium. As três aquisições são esquerdinas: Regressa ao clube Catarina Ascensão (ex-Guardes), Anais Gouveia troca o Sports pelo Madeira Sad e a jovem promessa do andebol português, Érica Tavares irá até ao Funchal, proveniente do Porto Salvo. São boas aquisições e colmatam a saída de Soraia Lopes e Andreia Andrade mas a perda de Isabel Góis é irreparável. A melhor guarda-redes portuguesa era um fator decisivo para que o Madeira Sad continuasse a lutar por títulos e a sua saída irá deixar muito mais fraco as madeirenses. Não acreditamos que repitam a final do ano passado. Veremos como lidará com esta difícil situação o seu novo treinador, Duarte Sousa. Lugar previsto: 4º Lugar. 
 
Jac –Alcanena: Hesitámos entre colocar o Jac em 4º ou 5º lugar pois a equipa conseguiu bons reforços, mantendo a estrutura base. A pesca foi em Assomada, onde a equipa de Alcanena conseguiu ir buscar a promissora primeira linha Micaela Sanches e a Guarda-redes Soraia Almeida que realizou uma excelente época e que vem colmatar uma grave falha que tinha a formação de Alcanena. O regresso (esteve em Erasmus) de Adriana Lage é uma grande notícia para Marco Santos que, com as suas jogadoras a ganharem mais maturidade, acreditamos poder até chegar a uma meia-final dos playoffs, embora seja difícil chegar lá. Lugar previsto: 5º lugar. 
 
Maiastars: Até ao momento, não foram divulgadas novidades no que diz respeito à equipa da Maia. A manutenção do atual plantel significa uma aposta na continuidade e o Maiastars, passo a passo, tem consolidado a sua posição a meio da tabela do campeonato primodivisionário. Acreditamos que o enfraquecimento da Juve Lis irá permitir à formação maiata a obtenção de um lugar na primeira metade da tabela. Lugar previsto: 6º lugar. 
 
Sports Madeira: A equipa madeirense perde Anaís Gouveia, uma das revelações da época passada e Jéssica Ferreira, a sua guarda-redes que era a sua peça mais decisiva. Apesar disso, conseguiu reforçar-se bem sobretudo com Sara Gonçalves, a fantástica ponta esquerda que regressa após uma rápida passagem pelo Madeira Sad e também com Carolina Rodrigues que regressa também após uma rápida passagem pelo Cale. A Guarda-redes Nance Fernandes também regressa mas não acreditamos que faça esquecer Jéssica Ferreira. Apesar de tudo, acreditamos numa temporada calma para a equipa. Lugar previsto: 7º lugar. 
 
Juve Lis: As leirienses sofreram duas baixas muito importantes. Ana Gante era o abono de família das leirienses e a sua ida para o Colégio de Gaia criará muitas dificuldades à Juve Lis. Além disso, Francisca Marques, uma esquerdina em grande ascensão vai para o vizinho Colégio João de Barros. Não acreditamos que vá ser uma época fácil para as leirienses mas julgamos que serão a última equipa a conseguir alcançar os playoffs. Lugar previsto: 8º lugar. 
 
Juve Mar: A formação de São Bartolomeu do Mar não regista nenhuma alteração no seu plantel, pelo que acreditamos que repetirá o lugar da época passada. Não nos parece que tenha equipa para atingir os playoffs, mas julgamos ser a equipa mais consistente das que lutarão para não descer. Lugar previsto: 9º lugar. 
 
Alpendorada: A recém-chegada equipa de Alpendorada possui um lote de jogadoras muito jovens e com muito potencial que tem registado uma agradável evolução nos últimos anos. Não tiveram saídas e conseguiram ainda assegurar o concurso de Maria Coelho (ex-Colégio de Gaia) uma jogadora jovem e versátil que poderá ajudar ainda mais a evolução desta equipa. Apesar das dificuldades que o Alpendorada irá sentir na adaptação a uma realidade diferente à que estavam habituados, acreditamos que a equipa conseguirá evitar a despromoção. Lugar previsto: 10º lugar. 
 
Cale: A equipa de Leça perdeu uma das suas peças mais importantes, Maria Rodrigues, que regressa ao Sports Madeira. O final da época passada já foi muito difícil e não acreditamos que a equipa de Leça este ano consiga escapar à despromoção, sobretudo tendo em conta que o Alpendorada é uma equipa bem melhor do que as equipas que desceram este ano. Lugar previsto: 11º lugar. 
 
Passos Manuel: Apesar do regresso de Paula Malcato, a saída de Fátima Suaré fragiliza a equipa. Não acreditamos que as lisboetas tenham uma margem de progressão tão grande como o Assomada e duvidamos que consigam assegurar a manutenção. Lugar previsto: 12º lugar. 
 
Críticos Femininos

A EHF e as Ligas Europeias

Existem aquelas notícias que passam despercebidas, mas contem muito significado, e demonstram si o estado do Andebol Português no contexto Europeu. 
 
A EHF publicou no seu sítio em 27-08-14 a seguinte noticia:
 
LIGAS DE ANDEBOL REUNIDAS EM VIENA
 
Os Presidentes e responsáveis de nove Ligas Europeias, estiveram reunidos na sede da EHF em 27-08-14, com representantes da EHF incluindo o seu Presidente Jena Brihault, Michael Wiederer Secretário Geral da EHD e Peter Vargo diretor de Marketing da EHF.
 
O tema principal desta reunião, foi a reorganização da representação das Ligas Europeias , através da EPHLA (European Professional Handball Leaagues Association), pois o mandato do seu representante terminou em finais de junho de 2014.
 
Jean Brihault, presidente da EHF, comentou que era importante a representação das Ligas no Conselho Profissional da EHF, como parceiros de todo o processo, pois toda a troca de informações entre a EHF e os representantes da EPHLA, foi bastante positivo.
 
Como a Assembleia Geral Extraordinária da EPHLA, está prevista para 26 de setembro de 2014, e aí serão definidas as estruturas futuras e a sua liderança. 
 
Estiveram presentes representantes das seguintes ligas: Áustria, Dinamarca, Espanha, França, Alemanha, Itália, Noruega, Suécia e Suíça.
(Fonte EHF)
 
Onde estava Portugal, quando a Liga terminou, em vez se avançar num processo de desenvolvimento estrutural, regrediu-se, criando a sensação de um falso amadorismo, que todos sabemos não existe, pelo menos ao nível da PO01, e se repararmos até a Itália já nos ultrapassou, e está presente, neste tipo de reuniões que são extremamente importantes, por exemplo na definição do modelo de competições e na sua calendarização. Ao transcrevermos esta noticia, apenas nos move o realismo e não qualquer outro tipo de sentimento.
 
O Analista

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Informação – Clubes – Douro Andebol Clube

DOURO ANDEBOL CLUBE

Junto se divulga em anexo o cartaz, de um novo clube a surgir na zona interior de Vila Nova de Gaia.
 (Informação DAC)

O Noticias

Arbitragem – Classificações e Outros – 2014 /2015 - III

Depois da publicação em profusão de circulares por parte do CA, a mesma entidade ainda não teve tempo de publicar uma circular onde explicasse por exemplo: 

Duplas – Quem e quais são, tudo o existe é provisório no entanto já existem nomeações feitas, através circulares, de informações e de convites (uma novidade) …
 
Observadores – Quem são, e como vão atuar… Ninguém sabe 
 
Categorias de árbitros – Segundo nos dizem os nossos “passarinhos”, parece que a confusão está instalada em especial no nível 1… 
 
Âmbito de Atuação – Tal como em épocas ainda não muito distantes, e antes de se iniciarem as provas oficiais do calendário federativo, ou seja antes de começar a verdadeira atividade andebolista, sabia-se quem apita quem!!! Ou quem pode apitar o quê!!! Resumindo, ainda não é do conhecimento de ninguém quais os critérios de nomeação??? Será que existem, ou vão existir? 
 
Por último – Mais uma vez temos a Arbitragem, segundo consta nos bastidores, não temos a confirmação, vai iniciar a nova época, com atrasos significativos na liquidação de verbas relativas à época que terminou (mas nem uma palavra sobre o assunto, será que é “tabu”, ou só alguns têm verbas em atraso…). Mas emitem-se circulares já com as verbas a aplicar na nova época. 
 
Nós iremos continuar atentos, a estes e outros temas interessantes. 
 
O Regras

domingo, 31 de Agosto de 2014

Época 2014/2015 - XVI Torneio de São Mateus

FC PORTO VENCE O TORNEIO INTERNACIONAL DE VISEU
(XVI Torneio Internacional de São Mateus)
A Época iniciou-se na prática com o Torneio Internacional de Viseu (não compreendemos a alteração da designação, pois na realidades trata-se do Tradicional Torneio de S. Mateus que vai na sua XVI edição), voltando Viseu a ser um dos principais polos de Andebol por um fim-de-semana. Fomos informados de que em simultâneo com o Torneio, a FAP organizou uma ação para Observadores, que assim que estiveram recolhidas mais informações será certamente elaborado por um dos nossos colaboradores o devido texto, e realizou-se ainda a IV Gala FAP do andebol.
 
De destacar pela negativa mais a ausência da Televisão Pública nestes eventos. Foi uma pena. Valeu a pena as transmissões através da Andebol TV e da Bola TV
 
Resultados:
FC Porto 29 – 27 Reale Ademar León
SL Benfica 25 – 33 Sporting CP
3/4 Lugar
Reale Ademar Leon 31 – 35 SL Benfica
Final
FC Porto 32 – 25 Sporting
 
Classificação Final1º FC Porto, 2.º Sporting, 3.º Benfica e 4.º Reale Ademar Leon. 
 
No primeiro dia do torneio, assistimos a dois jogos bastante animados e com algum equilíbrio até determinado momento. No FC Porto / Rela Leon, foi um encontro quase sempre equilibrado, notando-se que a equipa espanhola ainda já te muito trabalho efetuado tal como o FC Porto, que não utilizou jogadores importantes como por eemplo João Ferraz. Os primeiros 30 minutos terminaram com a equipa espanhola à frente do marcador (14-12). Nos segundos 30 minutos o FC Porto com fortes melhorias no seu sistema defensivo, com Hugo Laurentino em dia sim, e com igualmente uma forte melhoria no seu jogo atacante, quer no CA, ou através das pontas, atinge a igualdade cerca dos 40 minutos (22-22), para posteriormente passar a ser ele o comandante do jogo, adiantando-se no marcador, terminando com uma vantagem de apenas dois (2) golos. Destaque para Ricardo Moreira com os seus 8 golos sendo não só melhor marcador da sua equipa como de todo o jogo, e ainda para João Silva, e Jose Gutierrez na equipa espanhola ambos com seis (6) golos, tantos quantos foram marcador por Yoel Morales no FC Portos. Dirigiu este encontro a dupla internacional de Leira, constituída por Ivan Caçador / Eurico Nicolau, que tiveram uma atuação abaixo do esperado e pouco criteriosa. No outro encontro tivemos um clássico que é em simultâneo um dérbi lisboeta do andebol português, um Benfica / Sporting, onde se viu algum andebol, e um Benfica que com a forte alteração estrutural que sofreu, ainda padece (na nossa opinião) de uma maior adaptação aos novos método do eu técnico, pelo seu lado o Sporting eu mantem praticamente a mesma estritura da época passada, recebeu alguns reforços nomeadamente Pedro Spínola uma mais-valia nas suas opções atacantes, produziu já um jogo agradável de se ver chegando ao intervalo na frente do marcador (16-12). Nos segundos 30 minutos a equipa do Benfica entrou com toda “força” a pós um parcial de 4-0 em cerca de 4 minutos, consegue uma igualdade a 16 golo, mantendo-se durante algum tempo uma toada de equilíbrio, no entanto a equipa leonina, conseguiu após um parcial de 5-0, regressar ao comando do marcador, construindo um resultado que não reflete a diferença real entre as duas equipas. Foi um encontro com dois guarda-redes em grande plano, Hugo Figueira no Benfica e Ricardo Candeias mo Sporting, José Costa no Benfica e Pedro Solha, ambos com 9 golos, foram o melhores marcadores das suas equipas. No sporting de salientar ainda as boas exibições de Fábio Magalhães (uma agradável surpresa) e de Frankis Carol, ambos com 5 golos. Dirigiu este jogo a dupla de Aveiro Mário Coutinho / Ramiro Silva, que na nossa opinião exibiram-se bastante abaixo do que podem e devem produzir.
 
No segundo e último dia, Começámos com o encontro entre os espanhóis do Ademar Leon e o Benfica, que se encontravam no seu terceiro encontro nesta fase de preparação de ambas as equipas, sendo a primeira vez que a equipa portuguesa obteve uma vitória. A equipa portuguesa comandou o marcador quase sempre mas os espanhóis tal como tinham feito na véspera diante o FC Porto, nunca baixaram os braços e alcançaram a igualdade por diversas vezes como por exemplo aos 18-18. No entanto a equipa portuguesa demonstrou maior frescura física, ao mesmo tempo que a diferença existente entre os guarda-redes do Ademar, e os do Benfica permitiu que a equipa do Benfica viesse a alcançar uma justa vitória, embora sem nunca deslumbrar. Na equipa espanhola de destacar a eficácia de remate de Mikel Garcia (9 golos) e de José Gutierrez (7 golos) e do seu guarda-redes Rolélio Rondan. No Benfica com o seu técnico a efetuar uma maior rotação do plantel que tem á sua disposição, Elledy Semedo com 7 golos a ser o seu melhor marcador, seguido de muito perto por António Areia com 5 golos, de destacar neste encontro a agradável exibição de Vicente Alamo na baliza encarnada. Dirigiu o jogo a jovem dupla convidada!!! (é certamente um novo termo que irá ser usado pelo CA para nomear duplas) Fernando Costa e Diogo Teixeira de Braga, que demonstraram inexperiência para dirigir jogos a este nível de exigência, cometendo demasiados erros de avaliação em especial na falta do atacante e nas violações da área dos 6 metros. Mas estiveram na nossa opinião acima do que se poderia esperar
 
Na final do Torneio, mais um clássico da modalidade, um FC Porto / Sporting. Os campeões nacionais apresentaram-se com a sua preparação mais adiantada, mas os lisboetas tiveram 30 minutos de bastante garra e eficácia, e ambos os técnico a usarem uma maior rotatividade dos seus planteis, no entanto a equipa leonina chegou ao intervalo na frente do marcador por 15-12. Segundo período de jogo completamente dominado pela equipa do FC Porto, com o seu técnico a utilizar todos os jogadores disponíveis, passando para a frente do marcador quando estavam somente decorridos 39 minutos de jogo (20-19), mas a diferença de conceitos no ataque e a forma como os mesmos foram abordados, e ainda a diferença existente na preparação para e época ditaram o resto e até aos 60 minutos o FC Porto aumento significativamente a sua vantagem, sendo um justo vencedor. Destaque no FC Porto para a exibição do novo português Alfredo Quintana, que com o número de defesas que efetuou, apenas reforçou os bons momentos defensivos proporcionado pela equipa Campeão Nacional neste período. Alexis Borges com 7 golos foi não só o melhor marcador da sua equipa como do jogo, sendo bem acompanhado reforço Edgar Landim com 5 golos. Na equipa do Sporting, apenas Pedro Portela e mais uma vez Frankis Carol com 5 golos estiveram a seu nível. Dirigiu o jogo a dupla lisboeta António Trinca / Tiago Monteiro, que se apresentaram bem acima do que se poderia esperar.
 
Nota – De lamentar o pouco publico presente durante todo o torneio
 
O Noticias

IV Gala do Andebol - FAP - 2014

Realizou a Federação de Andebol de Portugal a sua IV Gala da Modalidade, a organização de decorreu numa das Salas de Visitas da Cidade de Viseu o Teatro Viriato, integrada num conjunto de actividades que envolveram diversos agentes da modalidade.
 
Este ano, a principal animação esteve a cargo de quatro excelentes grupos culturais de Viseu - Conservatório de Música Dr. Azeredo Perdigão, Zunzum Associação Cultural, Tuna Académica Infantuna Cidade de Viseu e Coletivo Gira Sol Azul 
 
A Cerimónia da FAP, que teve na apresentação dois andebolistas a Viviane Rebelo (Alavarium) e o António Areia (Benfica)
 
No seu discurso de apresentação e Abertura o Presidente da FAP Dr. Ulisses Pereira usou palavras e expressões como “momentos de partilha”, “de reconhecimento”, “de reencontro” e de união da família do Andebol,  não esquecendo de agradecer aos pais dos atletas, o que pela nossa parte, consideramos dos agradecimentos mais importantes que foram proferidos, não se esquecendo a formação e o alto rendimento.
 
São palavras que entendemos, e até subscrevemos, quando são totalmente cumpridas, pois usando palavras já por nós escritas ”… Enfim, é um momento singular, de especial “vibração”, que pode “veicular” percepções muito positivas sobre a nossa modalidade.” 
 
Dizer apenas palavras não basta, no nosso entendimento, o mais importante é a prática diária e constante. 
Para além dos melhores, a Gala do Andebol é, ainda, o momento em que se reconhece e se presta homenagem a quem de alguma forma, têm ou teve um papel preponderante e de relevo na nossa modalidade. Finalmente Manuel Manita ao receber o chamado prémio Homenagem, que tardou, mas finalmente foi reconhecido o seu trabalho na modalidade.
 
Foi para nós o ponto alto da Gala.
 
Os Premiados Foram:
 
Atleta Revelação Masculino 2013/2014 – Pedro Sequeira
Atleta Revelação Feminino 2013/2014 – Diana Oliveira
Melhor Jogador 2013/2014 – Pedro Portela
Melhor Jogadora 2013/2014 – Mariana Lopes
Melhor Guarda Redes Masculino 2013/2014 – Ricardo Candeias
Melhor Guarda Redes Feminina 2013/2014 – Isabel Góis
Melhor Treinador provas nacionais femininas 2013/2014 – Ulisses Pereira
Melhor Treinador provas nacionais masculinas 2013/2014 - Ljubomir Obradovic
Melhor dupla de árbitros 2013/2014 – Eurico Nicolau / Ivan Caçador 
Não gostaríamos de terminar, sem dizer que esta foi a IV Gala da FAP, mas repetindo o que já várias vezes dissemos, existiram outras que ficam para memória futura, pois também fazem parte do legado histórico da modalidade
 
O Historiador

sábado, 30 de Agosto de 2014

VI Mundial Juvenil Masculino (Sub-19) – 2015 - I

Após a conclusão do Euro Sub-18 que masculino que decorreu na Polónia, A EHF procedeu á divulgação das 12 equipas europeias que estão presentes no VI Campeonato Mundial do Escalão (jovem na designação IHF) que será disputada em 2015 (Na Rússia).
 
As 12 equipas indicadas, foram as dez (10) primeiras classificadas no Euro Sub-18 que agora terminou, e ainda as duas (2) equipas que representaram a Europa nos Jogos Olímpicos da Juventude em Nanjing. È critério bem definido e onde não existem escolhas por índices de valor andebolístico.
 
Assim as equipas escolhidas são:
França (1ª classificada)
Hungria (2ª classificada)
Espanha (3ª classificada)
Dinamarca (4ª classificada)
Eslovénia (medalha de ouro YOG)
Noruega (medalha de bronze YOG)
Suécia (5ª classificada)
Suíça (6ª classificada)
Alemanha (7ª classificada)
Polónia (8º classificada)
Islândia (9º classificada)
Croácia (10º classificada)
 
Foram igualmente indicadas as equipas, por esta ordem - Bielorrússia, Sérvia, República Checa, Macedónia e Roménia.
 
Recordamos que as equipas do Continente Africano já apuradas são - Egipto, Argélia e Tunísia.
 
O Formador

sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Planteis – PO01 – Época 2014 / 2015 – SC Horta

Hoje continuamos com a publicação dos planteis das equipas da PO01, sem nenhuma ordem especifica, dependendo apenas de termos ou não reunidos todos os elementos de que necessitamos.
 
Hoje publicamos o Plantel do SC Horta
 
S. C. Horta
 
Pavilhão – Pavilhão Desportivo da Horta
Nota – Reinicio dos Trabalhos – 12-08-14 
O Noticias

IHF – Duplas para 2013/2014

A IHF, divulgou a Lista das Duplas Internacionais IHF, para a época 2014 / 2015, mais uma veze e como de costume em Portugal ainda nada foi noticiado. Saúda-se a posição de Portugal, ao continuar a possuir duas duplas no quadro de Elite da IHF, os Madeirenses Duarte Santos / Ricardo Vieira e os Leirienses Eurico Nicolau / Ivan Caçador, no quadro de elite da IHF.
 
Às duplas portuguesas, endereçamos os nossos parabéns. 
Notas:
 
São 85 duplas (12 Femininas), e deixaram de existir árbitros sem dupla. Assim distribuídas: 
Europa – passou de 59 duplas para 53 duplas.
África – manteve 12 duplas.
Ásia – manteve 11 duplas.
América – Passou de 6 para 9 duplas.
 
Deixaram de existir Países com mais de três (3) duplas, no entanto o contingente com este número é significativo, sendo exemplo da situação – Argentina, Brasil, Espanha, França, Japão, Roménia, Sérvia e a Tunísia.
 
O Regras

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Nomeações – EHF – 2014 / 2015 – II

A EHF divulgou as nomeações das 15 duplas e dos 13 delegados que irão estar presentes num seminário que decorrerá durante tês dias (3) em Viena, com o começo a ser efetuado na próxima sexta-feira dia 29-08-14.
 
Este seminário servirá de preparação e estes para a Fase Final do EURO 2014 Feminino, que irá decorrer na Hungria e na Croácia entre 07 e 21 de dezembro de 2014.
 
Das 15 duplas que frequentaram este seminário, serão escolhidas as 12 que irão estar presentes na Fase Final do EURO 2014 Feminino.
Salienta-se de que tanto nas duplas como nos delegados, temos representantes Nacionais, em especial á dupla esperamos que seja uma das 12 a ser escolhida para a Fase Final.
 
Duplas Selecionadas
Dalibor Jurinovic / Marko Mrvica (Croácia)
Jiri Opava / Pavel Valek (República Checa)
Dennis Engkebølle Stenrand / Anders Kaerlund Birch (Dinamarca)
Andreu Marin Lorente / Ignacio Garcia Serradilla (Espanha)
Charlotte Bonaventura / Julie Bonaventura (França)
Peter Horvath / Marton Balasz (Hungria)
Robert Schulze / Tobias Tönnies (Alemanha)
Vaidas Mazeika / Mindaugas Gatelis (Lituânia)
Vanja Antic / Jelena Jakovljevic (Sérvia)
Kjersti Arntsen / Guro Röen (Noruega)
Duarte Santos / Ricardo Fonseca (Portugal)
Diana Carmen Florescu / Anamaria Stoia (Roménia)
Evgenij Zotin / Nikolaj Volodkov (Rússia)
Peter Brunovsky / Vladimir Canda (Eslováquia)
Kursad Erdogan / Ibrahim Özdeniz (Turquia)
 
Delegado Nomeados
 
Carmen Manchado Lopez - Espanha
Dragan Nachevski - Macedónia
Marco Trespidi - Itália
Sandor Andorka - Hungria
Rui Coelho - Portugal
Nicolae Vizitiu - Moldávia
Janka Stasova - Eslováquia
Bozidar Djurkovic - Sérvia
Helmut Wille - Áustria
Mona Förström - Finlândia
Monika Hagen - Suécia
Monique Alsemgeest - Holanda
Josip Posavec – Croácia
 
Aos nomeados damos desde já os nossos parabéns
 
O Noticias

Campeonato do Mundo Qatar – 2015 – XX

MUNDIAL MASCULINO QATAR 2015
 
Num mundial já marcado por decisões, incompreensíveis, por mais comunicações justificativas que se façam. Depois de concluídas as fases Continentais que se disputaram, A IHF depois de ter procedido em (20-07-14) com Pompa e Circunstância em Doha (Qatar), ao sorteio dos Grupos que vão constituir a Fase Preliminar da Fase Final do 24.º Mundial em Masculinos, que se disputará no Qatar em 2015 de 15-01-15 a 01-02-15.
 
Procedeu agora a uma alteração na ordem dos jogos, sendo o jogo de abertura o Qatar / Brasil em 15 de Janeiro de 2015. Jogo do Grupo “A” da Fase Preliminar. 
 
A IHF Informa de que os jogos serão disputados em três (3) pavilhões, todos localizados em Doha, com o pavilhão principal (Lusail Multipurpose Hall) com capacidade para 15300 espectadores, e os restantes recintos, o Qatar Handball Association Complex com 5500 lugares, e o AlSadd Sports Hall com capacidade para 7700 espectadores. 
 
 
Até ao momento, embora ainda seja um pouco cedo, não foi divulgada qualquer lista de árbitros e delegados que irão estar presentes, ficaremos na expectativa de saber se haverá ou não representantes nacionais nas respectivas listas, aguardemos.
 
EspanhaCampeã do Mundo em Titulo
 
Constituição dos Grupos
Grupo “A” – Espanha, Eslovénia, Qatar, Bielorrússia, Brasil e Chile.
Grupo “B” – Croácia, Bósnia Herzegovina, Macedónia, Áustria, Tunísia e Irão.
Grupo “C” – França, Suécia, Argélia, República Checa, Egipto e Emiratos A. Unidos.
Grupo “D” – Dinamarca, Polónia, Rússia, Argentina, Bahrain e Alemanha.
 
Formato Competitivo - Dos 4 grupos de 6 equipas, que disputam a Fase Preliminar. Apuram-se para os 4.º primeiros de cada Grupo para disputar os 1/8 Final, seguindo-se os 1/4 Final, 1/2 Final e os chamados Jogos das Medalhas, as outras oito equipas irão disputar a chamada President’s CUP (Lugares de 17.º a 24.º). 
 
O Noticias

quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

Sorteio – PO06 – 2014 / 2015

Mais um sorteio realizado em (26-08-14), foi um sorteio sobre uma prova, que não sofreu alterações na sua forma de disputa o que já significa alguma estabilidade competitiva
 
Ao manter sua forma de disputa (e bem, na nossa opinião), e ao ser disputada em quatro (4) zonas, será uma prova certamente muito mais económica não só para os clubes como certamente para a Federação. Felizmente que o número par de clubes 40, vai permitir uma 1:ª fase com todas as zonas equilibradas (10 equipas em 4 Zonas). 
 
Conforme já se referiu em devido tempo é a prova onde se verificaram as maiores alterações em termos de idade dos atletas, onde se passou de três (3) anos para a apenas dois (2), dando origem a que os escalões subsequentes (apenas nos Masculinos) se mantêm inalteráveis esta época. 
 
A Fase final será disputada pelo 1.º de cada Zona da 2.ª Fase, mas os dois (2) primeiros da Fase de apuramento (mais uma concentração), onde participam, além dos segundos classificados das duas zonas da 2.ª Fase, os Campeões Regionais das Regiões Autónomas da Madeira e Açores. (isto evita certamente) e o aparecimento de seleções regionais
 
Mantendo-se o texto onde se diz claramente, se as equipas das Regiões Autónomas, não ficarem apuradas para a Fase Final, disputarão na época seguinte a Fase de Apuramento da PO07. O que na nossa opinião é um esclarecimento que se impunha. 
 
Falta ainda esclarecer o porquê do aparecimento de algumas equipas que não constavam na listagem divulgada no Comunicado Oficial n.º 4 da presente época, tais como Cister SA, CA Penafiel e Ginásio Sul. 
 
Lamentamos a não inscrição das seguintes equipas com direito desportivo, G.C. Tarouca, ACD Fuas Roupinho e CCP Serpa. 
 
Analisando a constituição das zonas, facilmente se concluirá que a zona 4, será provavelmente a mais dispendiosa em termos financeiros, para os clubes que a integram.
 
Formato competitivo 
 
1.ª Fase – 4 Zonas no sistema TxT a duas voltas (apura os 3 primeiros de cada zona para a fase seguinte).
2.º Fase “A” – 2 zonas (6 equipas, cada) no sistema de TxT a duas voltas (apura o 1.º Classificado de cada zona, para a Fase Final) (na nossa opinião aqui começa o verdadeiro campeonato nacional)
2.ª Fase “B” – Os clubes mantem as suas zonas, e disputam mais 1 volta no sistema de TxT, após sorteio, iniciando com 50% dos pontos da 1.ª Fase. (desce o último classificado de cada zona) .
Fase de Apuramento – Disputado sistema de TxT a 1 volta, apura , os restantes dois lugares para a Fase Final .
Fase Final – disputada por 4 equipas no sistema de TxT a duas voltas
 
A 1.ª Fase tem início em 20-09-14 e termina em 24-01-15
 
Resultado do Sorteio
 
PO6 – Campeonato Nacional Juvenis Masculinos 1.º Divisão
1.ª Jornada
Zona 1
Zona 2 
Zona 3 
Zona 4
O Noticias

Arbitragem Portuguesa na EHF - II

Agora que a EHF, já efetuou as primeiras nomeações para a a Liga dos Campeões Masculina (Portugal não foi comtemplado, esperamos que o seja em fases mais adiantada da prova), iremos mais uma vez abordar um tema que é polémico e sempre o será, mas é um tema que vale a pena avaliar, pois continuam a existir perspetivas demasiado animadoras, para a realidade factual, agora que temos uma dupla EHF (Feminina). 
 
E para evitar comentários do seguinte teor:
 
“A este texto do Banhadas chama-se escrever para não estar parado, porque de análise isto é zero! Fraquinho, fraquinho, fraquinho! Não tem em linha de conta o contexto do andebol Português a nível internacional, a idade das nossas duplas, bem como o espaço a que cada país “tem direito”!
 
Muitas vezes se escreve aqui que para o torneio internacional A ou B, estranhamente não foi nenhuma dupla nacional. Agora, neste rascunho (isto para ser simpático!) sem qualquer profundidade que o Banhadas publicou, lá se vai dizendo, com má-fé, que duas duplas contam as outras…pois…, enfim…, quer-se dizer… não prestam!”
 
Esclarece-se que o texto não pretende afetar ou fazer juízos de valor das outras duplas, apenas questiona, a sua presença e a avaliação que a EHF faz das mesmas. Porque sempre que fizermos criticas às suas atuações, também não teremos quaisquer dúvidas em efetuá-las
 
Sendo apenas um simples alerta, para quem normalmente costuma “embandeirar em arco”, com uma simples nomeação. Mas com estes dados poder-se-ão tirar as mais diversas ilações e conclusões. 
 
Portugal possui com o emblema da EHF 5 duplas a saber (Eurico Nicolau / Ivan Caçador, Duarte Santos / Ricardo Vieira, Daniel Martins / Roberto Martins, César Carvalho / Daniel Freitas e Marta Sá / Vânia Sá), no entanto destas 5 apenas as duas primeiras são igualmente duplas IHF
 
Portugal possui ainda 4 delegados na EHF, Rui Coelho, António Goulão, João Costa e Manuel da Conceição, no entanto apenas os 2 primeiros são nomeados para os grandes eventos e para eventos da IHF, mas vaidade é assoladora. 
 
Continua a existir no nosso meio a convicção de que as nossas duplas são bastante interventivas, e que a EHF, tem em conta o seu valor intrínseco, bem como a sua qualidade, mas época após época tendo 2, 3, 4 ou 5 duplas, 3, 4 ou 5 delegados, que na nossa opinião, neste momento e avaliando apenas as nomeações para as duas principiais provas Europeias de Clubes, que são na realidade o “barómetro das nomeações” (Liga dos Campeões – Masculina e Feminina), pois todo o resto na maioria das vezes é uma mera paisagem no meio de um deserto de muitas vaidades mais ou menos dissimuladas
 
Poderemos concluir que em termos de arbitragem, e certamente, sem grande margem de erro, de que Portugal (independentemente das classificações que lhes são atribuídas pelo Conselho de Arbitragem em Portugal), na realidade apenas possui duas duplas Internacionais com valor para a IHF e para a EHF, são o Eurico Nicolau / Ivan Caçador e o Duarte Santos / Ricardo Vieira, e a justificação é muito simples:
 
Eurico Nicolau / Ivan Caçador – E na época que terminou, apenas atuaram na Liga dos Campeões (2 jogos Masculinos e 1 jogo nos Femininos), poderemos dizer muito aquém do razoável. 
 
Duarte Santos / Ricardo Vieira – Apesar de maior diversidade nas suas intervenções, com especial incidência nas provas masculinas, foram mesmo assim juntamente com o EN / IC os únicos que atuaram na Liga dos Campeões (2 jogos em Masculinos, e 1 jogo nos Femininos). 
 
Agora veremos a intervenção dos Delegados na Liga dos Campeões, e a conclusão a que chegamos é de que apenas 2 tiveram intervenção, e são os 2 que fazem parte da estrutura orgânica da própria EHF. Todos os outros delegados tiveram intervenções unicamente ao nível das outras provas do calendário Europeu, o que em nossa opinião, significa muito pouco. Provas houve que se iniciaram e terminaram sem registar a presença de qualquer delegado português (Winners CUP Feminina por exemplo), o que se lamenta
 
António Goulão – Teve intervenção tanto nos masculinos, onde esteve presente em 6 jogos, sendo que 2 deles dizem respeito á Final Four Masculina, tendo estado ainda presente num 1 jogo nos Femininos ainda na Fase de Grupos. 
 
Rui Coelho – esteve presente em 3 jogos dos Masculinos, sendo um deles nos 1/4 Final, regista-se ainda a curiosidade de ter uma presença na EHF CUP Masculina. 
 
Esta analise conforme se afirmou apenas teve em linha de conta as provas Europeias de Clubes, que são na realidade o verdadeiro “barómetro” da modalidade. 
 
O Formador